Coolants, cuidados – Devo trocar ou repor?

Assim como o nosso corpo tem uma temperatura ideal por volta dos 36º C, o motor do veículo possui uma temperatura recomendada para seu funcionamento, 90ºC. E o responsável por essa importante missão no automóvel é o sistema de arrefecimento – composto por bomba d’água, radiador, válvula termostática, sensores, ventoinha, mangueiras e líquido de arrefecimento.
Com a refrigeração do motor em dia ganhamos maior durabilidade, melhor eficiência energética, menor nível de emissões e ainda melhoramos o desempenho do veículo como um todo.
Inclusive, é importante destacar que o sistema de arrefecimento é responsável pela refrigeração do fluido que circula no câmbio automático, e muitos problemas que ocorrem nessa área são gerados por arrefecimento insuficiente.

E qual a manutenção necessária? Normalmente, a recomendação das montadoras é para que o líquido de arrefecimento – água desmineralizada e aditivos específicos – seja trocado em intervalos de 24 mil quilômetros ou a cada 12 meses.
A razão da escolha entre a quilometragem rodada e o tempo acontece porque, como grande parte dos produtos químicos, o aditivo tem prazo de validade.
Mas atenção: é sim possível que o fabricante recomende trocas em intervalos diferentes ou que use aditivos conhecidos como “long life” e “super long life”, que dispensam troca frequente.
Por isso, antes de mais nada, é importante verificar o manual do proprietário para saber exatamente quando a substituição precisa ser feita, para evitar a corrosão do sistema, o ressecamento prematuro de mangueiras e vedações, perdas de propriedades de arrefecimento, além de outros sérios danos ao propulsor.

O equilíbrio térmico do motor acontece devido o fluido percorrer um circuito fechado que vai do interior do motor, de onde o calor é retirado, até o radiador, que efetivamente dissipa a alta temperatura no meio externo. Quando o carro está em movimento, o ar recebido na dianteira é direcionado para o radiador, retirando dali o calor acumulado no líquido.
Essa transferência de calor também pode ser auxiliada pela ventoinha do radiador, que atua quando as temperaturas estão muito elevadas — como acontece quando o carro está parado.
Deve-se sempre ter muito cuidado na escolha do fluido adequado, conforme o tipo recomendado pelo fabricante, que normalmente são produtos orgânicos e inorgânicos.
Temos os aditivos inorgânicos, orgânicos, híbridos e inibidores de corrosão.
Nos inorgânicos os componentes se encontram no meio ambiente borato, fosfato, nitrato, silicatos…sais.

Já os orgânicos são desenvolvidos em laboratórios, com desempenho superior, e normalmente sendo os escolhidos pelas montadoras, por acompanhar a evolução e garantir maior proteção aos metais do veículo, assim também como o alumínio.
Os híbridos possuem maior ênfase na proteção do alumínio, tecnologia orgânica reforçando a proteção com maior tendência de aplicação no mercado.
Posso completar o líquido de arrefecimento? O sistema de arrefecimento do motor é formado por um circuito fechado. Caso identifique que o nível do fluido de arrefecimento está baixo, é possível que exista algum vazamento.

A falta do líquido de arrefecimento no sistema leva o motor a trabalhar em temperaturas acima daquelas para as quais ele foi projetado. Na melhor das situações, essa condição pode levar a danos menores, com prejuízo para o desempenho e para a durabilidade do conjunto. Na pior, o motor pode fundir e se fizer uso de água pode gerar oxidação.
Ainda assim, caso você identifique pequenas variações no nível do líquido de arrefecimento — como mal posicionamento ou folga da tampa do radiador, o fluido pode ser completado, preferencialmente com um fluido que atenda as especificações do veículo. Já se o problema persistir, não espere muito para fazer uma manutenção no sistema.
Não ignore os sinais de que seu carro pode estar precisando de uma verificação no sistema de arrefecimento. O superaquecimento pode provocar comportamentos estranhos do motor, como barulhos, liberação de fumaça e elevação da temperatura.
Para monitorar esse tipo de situação, fique sempre de olho no medidor de temperatura ou a luz indicativa no painel do seu carro. Se o ponteiro começar a se aproximar da marcação vermelha, então é hora de procurar ajuda especializada para evitar os contratempos que a falta de fluido no radiador pode causar!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira Outros Artigos

Confira

Mitos sobre a cor do fluido ATF

Transmissão automática necessita de troca de fluido? A resposta é sim. Essa dúvida é muito…